Somente a Bíblia, Somente a Graça, Somente a Fé, Somente Cristo e Glória somente a Deus |

O Que é o Evangelho?

Quinta, 06 Setembro 2012 03:00

UMP no Sítio

Galeria de Imagens

Quarta, 05 Setembro 2012 03:00

Cine OPS

Galeria de Imagens

Sexta, 07 Setembro 2012 03:00

Celebrai no Aniversário da IPCA

Galeria de Imagens

Referência: Mt 18.23-35, Lc 17.3-6, Cl 3.12-14

INTRODUÇÃO

1. C. S. Lewis disse que é mais fácil falar sobre perdão do que perdoar. É fácil falar sobre perdão até ter alguém para perdoar. Amar a todos é fácil, o desafio é amar quem nos persegue. Alguém disse: “Eu amo a humanidade, o que eu não tolero são as pessoas”.

2. Isso é um fato: decepcionamos as pessoas e as pessoas nos decepcionam. As pessoas são ladrões da nossa alegria. Sofremos mais por causa das pessoas do que pelas circunstâncias adversas. Exemplo: a mulher que foi abusada sexualmente pelo pai.

3. Vivemos num mundo ferido, doente e cheio de mágoas: entre as nações, entre tribos, entre famílias. Hoje, o divórcio já atinge 50% dos casamentos. O divórcio é fruto da dureza de coração, ou seja, incapacidade de perdoar.

4. O pecado mais presente na igreja é o pecado da mágoa. Exemplos: a mulher da igreja de São Paulo e o pastor da igreja de Toronto.

5. Quem não perdoa adoece. O drama que vivi em 1982 com o assassinato do Hermes.

I. POR QUE DEVEMOS PERDOAR?

1. Porque faz parte da natureza do povo de Deus perdoar – Cl 3:13

Ser cristão é ter uma nova natureza, uma nova mente, um novo coração, uma nova vida. Quem não perdoa é porque ainda não pertence a família de Deus.

2. Porque temos queixas uns contra os outros – Cl 3:13

Ainda não chegamos ao céu. Aqui temos falhamos uns com os outros e precisamos exercitar perdão.

3. Porque temos sido muito perdoados – Cl 3:13

A igreja é a comunidade dos perdoados. Como Deus nos perdoou: Completamente (de tudo), eternamente (para sempre). Deus apagou, afastou, desfez, esqueceu, sepultou do fundo do mar os nossos pecados.

Jesus ilustrou esse perdão na parábola do credor incompassivo. Comparar os 10.000 talentos com 100 denários.

4. Porque a recusa de perdoar traz sérios prejuízos

4.1. Quem não perdoa não pode orar – Mc 11:25; 1 Pe 3:7

4.2. Quem não perdoa não pode adorar – Mt 5:23-24

4.3. Quem não perdoa não pode ser perdoado – Mt 6:12

4.4. Quem não perdoa adoece – Tg 5:16

4.5. Quem não perdoa é flagelado pelos verdugos – Mt 18:34; 2 Co 2:10

II. A TERAPIA DO PERDÃO

1. Há pessoas doentes emocionalmente porque nunca se perdoaram – Fp 3:13

A mulher que viveu 60 anos do cativeiro.

Paulo teve suas memórias curadas.

Doralice – a jovem que tomou soda cáustica

2. Há pessoas doentes porque vivem cativas da mágoa –

A enfermeira de Patrocínio

No dia 7 de dezembro de 1941 Mitsuo Fuchida comandou o ataque à frota americana no Porto Pearl Harbour. Jack de Shaze se dispôs a vingar. Foi preso em Tóquio. Torturado. Converteu-se. Voltou aos Estados Unidos. Preparou-se e voltou para o Japão como missionário. Encontrou Fuchida e o evangelizou. Ambos pregaram em praça pública no Japão. O poder do perdão que reconcilia.

III. OS PRINCÍPIOS DO PERDÃO

1. Cautela – Lc 17:3

Precisamos ter cautela para não sermos injustos e esmagarmos a cana quebrada.

A mulher adúltera foi apanhada pelos fariseus como um objeto, mas foi tratada por Jesus como uma pessoa que merecia seu amor.

Jesus restaurou Pedro não condenando-o ou expondo-o ao ridículo, mas perguntando-o: tu me amas?


Rev. Hernandes Dias

Fala galera! Legal no milharal?

   Semana passada, tivemos o OPS Redenção e Graça com o nosso Pr. Sérgio Lima, com uma Palavra sincera, objetiva e muito abençoadora. Logo no início ouvimos que devemos abandonar os "por quês" que fazemos a Deus toda vez que algo acontece. Difícil né? Mas parando pra pensar, quem somos nós para questionar a Sua obra, Sua vontade.

   Como pudemos aprender, desde o começo estamos presos a um ciclo de pecaminosidade. Desde Adão, perdemos aquele contato direto com Deus. Mas Ele é um Deus de amor, conforme vimos, "Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos) (Ef 2.5). Imagine a situação: pense naquele seu parente chato, que você não aguenta ter que ver todo final de ano, com piadinha de "pavê pacumê" e outras, mas um dia, ele te dá aquele presente que você nunca imaginou ganhar, que você iria ter que trabalhar muito pra ter. Acredito que você iria ficar surpreso, pasmo. Ainda mais por quem te deu. Agora imagine você, antes de conhecer a vida com Deus, naturalmente rebelde, tem resistência ao que Ele te fala, não suporta, acha besteira, porque vive na carne. Pensa o que é você, com todo o seu passado, e até mesmo com o que ainda acontece no presente, sentir no coração que existe um Deus que enviou seu único filho para morrer a morte do seu pecado. Pensa o que é você saber que sempre será um pecador, mas que tem a salvação eterna porque o Filho de Deus se fez carne e sangrou em morte de cruz, mesmo operando tantas maravilhas entre nós. Graça é saber que temos refúgio por algo externo, porque nós não temos nada para nos vangloriar. É um presente tão maravilhoso, tão perfeito. Só quem recebeu esse presente, sabe da transformação que ocorre. É ver que o que vivia antes era loucura, ter repugnância dos vícios, das mentiras. E esse presente, é uma marca falando que você é filho de Deus, e será poupado do seu juízo quando retornar.

   Portanto, abra-se para ser útil no Reino de Deus, seja farol e guie os perdidos para o caminho certo, seja sal na terra. Aproveite para partilhar essa Palavra libertadora com aqueles que não a ouviram ainda. Aceite o molde que Deus tem para a sua vida. Nenhum amor se iguala ao do nosso Pai. Se você tem dúvida, dobre seu joelho e ore, Ele te confirmará. Que Deus os abençoe ricamente e boa semana a todos.

Aucélio Gonçalves
Jopista UMP

Quarta, 25 Setembro 2013 00:46

Redenção e propiciação - Paul Washer

Vídeo por Paul Washer

Bom dia pessoal, 
 
Amanha teríamos a nossa programação "Torta na cara" como divulgado nas semanas anteriores! 
Infelizmente a programação terá que ser adiada para outra data, pois a diretoria não poderá comparecer. Em nome dela, pedimos mil desculpasaos que se planejaram, estudaram e iriam participar dessa programação. Se tiverem alguma dúvida ou qualquer outra questão, envie um e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. que responderemos com prazer!

Obrigada pela compreensão e até o próximo OPS, dia 28/09, com o tema "Redenção pela graça"!

Tenham todos um ótimo fim de semana!

Em Cristo,
 
UMP Santo Amaro
Quarta, 11 Setembro 2013 19:10

Entrevista: Vanessa Sousa

Olá amigos, estamos aqui novamente com um tema bem especial. Amizade e Alegria! E a Vanessa vai contar um pouquinho como é ter amigos e ser feliz. 

Acsa: O que é amizade para você?

Vanessa: Poxa, é difícil definir algo tão maravilhoso, único e especial. Algo que só se tem quando é verdadeiro, quando se tem amor, afeto, carinho, confidência, sinceridade... Não há um significado específico, senão a junção destes sentimentos. Amizade é aceitar, entender, completar, rir e chorar, estar ao lado, mesmo quando for insuportável, rs. Só entende o significado disso tudo quando se tem uma amizade verdadeira e graças a Deus, por Ele ter me dado o prazer de saber o que é, por ter pessoas maravilhosas em minha vida. Como diz em Prov18:24 “..mas há um amigo mais chegado do que um irmão”, eu tenho duas irmãs maravilhosas, presentes de Deus em minha vida, com elas não tenho vergonha de dizer que as amo e que faço tudo pra arrancar um sorriso, deixá-las felizes. Não apenas elas, pois tenho outro tesouro: o meu melhor amigo, que é o meu amor (frase clichê, mas num tô nem ai..rs). E não vou falar dele, se não vai virar mimimi..rs

Acsa: O importante é ter ou ser amigo?
Vanessa: 
Os dois, um não é verdadeiro sem o outro. Não há como ser amigo e não ter amigo, isso seria falsidade. Se a pessoa é amiga, como consequência terá amigos, não há um melhor.  

Acsa: O cristão, ainda que tenha amigos, pode passar por tribulação? De onde tirar alegria em momentos difíceis?
Vanessa:
 Sim, passaremos por tribulações enquanto estivermos aqui. E pela graça de Deus, Ele nos deu amigos para que nessas horas tenhamos alguém para compartilhar nossas dificuldades e receber conselhos. A alegria deve-se tirar da comunhão com o nosso Pai e se pudermos ter essa comunhão junto com nossos amigos, melhor ainda, a alegria vem em dobro e mais rápido.

Acsa: Quando estamos alegres, tudo é fácil mas e quando o desanimo aparece, o que fazer para ser um bom amigo nos momentos não tão bons assim?
Vanessa:
 Temos que aprender a estar dispostos para os amigos a qualquer momento, e o melhor disso é que você acaba esquecendo seus problemas quando está com eles. Pode não parecer, mas mesmo que esteja pra baixo, é só encontrar um amigo que logo começa a dar risadas, pelo menos é assim comigo. Provérbios 17:17 diz que “em todo o tempo ama o amigo e para a hora da angústia nasce o irmão.”

Como é bom ter amigos! Alguém que você pode contar na alegria ou no chororô. E ainda, às vezes, somos anormais quando estamos com eles, não é verdade? rs

Corra atrás em ser um amigo no Senhor.

 Beijo e queijo

Acsa Ferreira
Repórter UMP

 
Quarta, 04 Setembro 2013 02:33

Salvação pela graça.

A característica distintiva da verdade do Evangelho de Cristo é a graça – favor imerecido de Deus para conosco. Em contraste, a religião mundana é um sistema de leis, regulamentos e obras. Isso é facilmente entendido e aceito pelo mundo, que pensa que devem fazer algo para merecer sua salvação e aceitação por Deus. Nossa tendência natural é colocar-nos no centro, pensando que somos capazes de ao menos contribuir para a nossa salvação.

Todavia, nunca podemos merecer o amor de Deus. Ele nos vem como um dom gratuito: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie” (Ef. 2:8, 9). O dom gratuito da salvação é explicado adicionalmente na epístola de Paulo aos Romanos: 

Todavia, não é assim o dom gratuito como a ofensa; porque, se, pela ofensa de um só, morreram muitos [a pecaminosidade imputada de Adão], muito mais a graça de Deus e o dom pela graça de um só homem, Jesus Cristo, foram abundantes sobre muitos. O dom, entretanto, não é como no caso em que somente um pecou; porque o julgamento derivou de uma só ofensa, para a condenação; mas a graça transcorre de muitas ofensas, para a justificação. Se, pela ofensa de um e por meio de um só, reinou a morte, muito mais os que recebem a abundância da graça e o dom da justiça reinarão em vida por meio de um só, a saber, Jesus Cristo. (Rm. 5:15-17; ênfase minha)

A salvação é um dom gratuito porque não poderíamos adquiri-la através de obras ou mérito da nossa parte. Somos justificados, significando que somos feitos justos em nosso relacionamento com Deus, onde ele não mais olha para o nosso pecado, através da justiça de Cristo que é aplicada em nós mediante a nossa fé. À medida que Paulo fornece uma lista de pecados aos quais nós como crentes fomos uma vez escravos antes de crermos, ele contrasta isso com a obra da graça de Deus em nós agora.

Quando, porém, se manifestou a benignidade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com todos, não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo sua misericórdia, ele nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo, que ele derramou sobre nós ricamente, por meio de Jesus Cristo, nosso Salvador, a fim de que, justificados por graça, nos tornemos seus herdeiros, segundo a esperança da vida eterna (Tito 3:4-7).

Mesmo a capacidade de crer em Cristo pela fé é um dom gratuito de Deus. Como pecadores não-regenerados não podemos fazer isso à parte da obra do Espírito de Deus em nós (cf. 1Co. 2:14; Tito 3:5). Embora estivéssemos separados de Deus pelo nosso pecado, ele iniciou um relacionamento conosco.

“Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores” (Rm. 5:8). Tendemos a olhar para nós mesmos a fim de descobrir o motivo pelo qual Deus deveria nos amar. Ele não nos vê resplandecentes em nossas boas obras. O que Deus vê é uma vida cheia de culpa, rebelião, egoísmo, idolatria e vergonha, a menos que sejamos vestidos pela justiça de Cristo. Mas é claro a partir da Palavra de Deus que Deus nos ama somente porque estamos em Cristo Jesus, que em amor deu sua vida por nós. “Assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade” (Ef. 1:4-5). “Que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos, e manifestada, agora, pelo aparecimento de nosso Salvador Cristo Jesus…” (2Tm. 1:9, 10). A salvação é totalmente a obra de Deus (Sl.3:8; Jonas 2:9; Ap. 19:1). Portanto, quando o carcereiro de Filipo perguntou aos prisioneiros Paulo e Silas, “Senhores, que devo fazer para que seja salvo?”, eles responderam, “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa” (Atos 16:30, 31; ênfase minha).


Embora a fé para crer seja um dom da parte de Deus, ela é algo que somos instados a usar diligentemente ao buscá-lo. “De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam” (Hb. 11:6). Aproximamos-nos de Deus e o encontramos através de Jesus, que é o caminho e é quem nos mostra o Pai (João 14:6-11). A recompensa última da nossa fé é receber a vida eterna agora e, entrando no céu mediante a morte física, ficarmos na presença de Deus. Tendo agora recebido pela graça essa fé, podemos cantar o hino de James M. Boice,


Visto que a graça é a fonte da vida que é minha –

E a fé é um dom do alto –

Gloriar-me-ei em meu Salvador, todo mérito declinarei,

E glorificarei a Deus até eu morrer.

Fonte: Requirements to Enter Heaven
Bruce McDowell, 21-23.
Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto1

Monergismo.com – “Ao Senhor pertence a salvação” (Jonas 2:9)
www.monergismo.com

Quarta, 28 Agosto 2013 10:59

Marxismo Cultural

“O cristianismo é o maior sistema intelectual que a mente do homem já se aproximou” (Francis Schaeffer)

Olá, pessoal! Como vocês estão? Tendo uma ótima semana de reflexão na palavra de Deus? Pensando no que significa ser realmente contracultura? Essas são questões que o OPS Marxismo Cultural nos leva a fazer a nós mesmos.

É curioso pensar quanto um tema tão complexo em um primeiro momento pode ter implicações práticas tão próximas de nossas vidas, não é mesmo? O Marxismo Cultural está relacionado com nossas vidas na faculdade, nos nossos hobbies e no nosso entretenimento, seja na música, nos filmes ou na televisão. Qual deve ser a atitude do cristão diante disso?

Como nos ensinou nossa irmã Norma Braga, o Marxismo Cultural foi uma criação de autores como Antonio Gramsci e Georg Lukács com o objetivo de destruir os valores da nossa sociedade, sobretudo os criados pelo o que eles chamam de “ética judaico-cristã”, ou seja, os próprios valores do cristianismo em que nós cremos e buscamos nos amoldar. Para esses homens, somente quando esses valores fossem destruídos, a sociedade poderia chegar ao socialismo de verdade, sistema que fez com que governos matassem milhões de pessoas e sempre sobreviveram à base da opressão.

Onde podemos ver em nossos dias a influência do Marxismo Cultural? A lista é enorme, mas tudo isso está nos programas de televisão, nas novelas, nas aulas das universidades e em movimentos que muitas vezes persuadem os próprios cristãos, tais como feminismo, movimento negro e até mesmo em canais de Youtube como provou um vídeo recente do canal “Porta dos Fundos” que ridiculariza a fé cristã e os crentes.

Diante disso, nós como jovens cristãos, temos que nos policiar e estarmos preparados para enfrentar essas influências e nos posicionarmos com firmeza em nossa fé. Para isso a doutora Norma Braga nos deu dicas preciosas, como estudar a Bíblia e a teologia, lermos bons livros e nos atualizarmos sobre esses assuntos. Esses princípios devem ser aplicados àquilo que escolhemos absorver de nossa cultura e aqui fica a importante lição do Apóstolo Paulo “ponham à prova todas as coisas e fiquem com o que é bom” (1 Tessalonicenses 5:21).

Que Deus possa nos ajudar a ser contracultura nesse mundo uniforme e que possamos ser padrão e brilhar a luz de Cristo, para que assim façamos a diferença em nossos meios sociais e possamos abençoar nossa cultura com coisas boas, não nos “conformando com este século”, mas sim renovando nossa mente em Cristo.

Leonardo Anthero
Jopista UMP

ipsantoamaro

Cadastre-se na Newsletter